terça-feira, 10 de novembro de 2009

De onde eu sou?

Às vezes me pergunto, nos dias que fico sozinha, mas sozinha mesmo: de onde eu sou? Perder-se e não saber se realmente aquela pessoa que diz tanto ser sua amiga, diz tanto que gosta de você, te trata como se fosse assim... dispensável? Nossa, como eu tenho sentido isso! E não queria, até porque não gosto de alimentar sentimentos negativos, mas dessa vez não tive escolha. Isso me persegue de um jeito. Não é que eu vá ficar revolts e mandar todo mundo catar coquinhos. Mas tenho certeza que tais questionamentos me dirão por onde ir, ou pelo menos por onde não ir de modo algum.
Certas amizades, por exemplo. Algo me diz que tenho que me afastar. Mais por mim do que por elas, pois por pensar muito nos outros me perdi dentro de mim mesma, e isso não é bom. Afinal, primeiro você tem que se amar, pois só assim conseguirá cuidar dos outros melhor, assim como cuidará de você. Tenho amizades que me deixam mal, sério. Pessoas que eu gosto, tenho convívio de anos, mas basta chegar outra pessoa pra ela me tratar como um...nada. Talvez elas nem se toquem, mas fazem muito mal a mim com isso. Eu confesso que já fiz isso, mas quando me toquei o quão ruim era, parei. Mas nunca deixei de passar por isso. Não é com todos, só algumas pessoas.
Eu me pergunto o que eu tenho de errado, e descobri que eu não tenho nada de errado. Claro que defeitos todos têm, mas nada que impeça de eu ser amiga. Sou ótima amiga, guardo confidências a sete mil chaves, procuro ser agradável. Sei que às vezes não me expresso bem, mas sempre me explico quando vejo que errei.
Pior que isso é também na família. Por não ter sido assim tão boa no passado, sou julgada pelo que fui e não pelo que sou. Tá, vocês podem dizer que a gente colhe o que planta, mas eu vou colher pra sempre algo que eu fiz por alguns anos e já me arrependi tremendamente? Caramba, isso que é justiça?
Me encontro assim. Não triste, mas um pouco revoltada. E a revolta nos faz mudar, porque na birra eu não quero apostar. Porque se já está assim, com ela piora tudo!

Imagem Getty Images

4 estórias:

Marcelo Mayer disse...

viu? sozinho é que nos encontramos melhor.

Erica Ferro disse...

Se revoltar é o que há!
Conformismo não dá, haha.

Agora, sem brincadeiras, já passei por isso.
Passo, até.
Difícil ser deixada de lado, mas tenho a mim - isso basta um pouco, um pouco... :S

Beijo, @tatahsantini.

Flora disse...

Parece que todos já se sentiram assim alguma vez. Tenho me sentido um pouco assim também. Final de ano faz a gente refletir bastante, deve ser isso... eu espero.
Beijos!

Natália disse...

Crise de identidade? Sai dessa,po. beijos